Lista dos melhores afrodisíacos para aumentar o desejo sexual

A origem do termo “afrodisíaco” deriva da mitologia grega e faz referência à deusa Afrodite, a deusa do amor. Desde o início dos tempos, os homens têm procurado produtos afrodisíacos para estimular a sua paixão.

afrodisiacos

Apesar de que o Viagra (citrato de sildenafil) tem demonstrado ser um afrodisíaco extremamente eficaz, precisa de receita e não é adequado para todos os homens. Por exemplo, considera-se aconselhável para aqueles com risco cardiovascular subjacente. É por isso que vamos oferecer algumas alternativas para render o máximo na cama.

Nenhum dos seguintes suplementos afrodisíacos requer receita médica, mas é aconselhável falar com um especialista antes de tomar qualquer um destes produtos, para melhorar o desejo e o desempenho sexual.

DHEA

A forma natural de DHEA (dehidroepiandrosterona) é considerado um hormônio endógeno, fabricada no corpo humano e secretado pela glândula supra-renal. Os suplementos de DHEA estão disponíveis em cápsulas, comprimidos, pastilhas e loções tópicas.

Os níveis deste precursor de hormônios sexuais masculinos e femininos diminuem à medida que envelhecemos (a partir dos 30 anos), daí a eficácia do suplemento. Não foram realizados estudos sobre os efeitos a longo prazo de DHEA mas pode aumentar o risco de câncer de próstata, mama, ovário e outros cânceres sensíveis aos hormônios. De acordo com o Natural Medicines Comprehensive Database (NMCD), há insuficiente evidência para afirmar que seja eficaz contra a disfunção sexual.

Ioimbina ou Yumbina

A árvore yohimbe (Pausinystalia johimbe) é conhecido como ‘a árvore do amor’. Trata-se de uma árvore perene da África ocidental, cuja casca contém um químico chamado ioimbina. Atualmente é conhecida como um potente afrodisíaco natural e usada como um remédio para a disfunção sexual, incluindo a disfunção erétil.

Como um suplemento dietético, a casca seca é transformada em chá e administrada por via oral. Seus efeitos colaterais são: hipertensão, ansiedade, ou episódios maníacos.

Um estudo publicado na revista US National Library of Medicine, National Institutes of Health avaliou o efeito da ioimbina (até 30 mg/dia) na ereção, o desejo sexual, a excitação e a resposta ejaculatória. Os resultados não encontraram efeito da ioimbina na maioria dos aspectos da resposta sexual em homens sexualmente funcionais. No entanto, em relação à disfunção erétil masculina, 3 dos 11 homens receberam fortes efeitos positivos. A frequência das atividades sexuais aumentou e a auto-avaliação da resposta genital.

Xtrasize

Chamado de “viagra natural”, certamente este aumento vem da medicina tradicional chinesa. É considerado o mais poderoso afrodisíaco. Embora surpreendentemente pouco se sabe sobre ele, no ocidente, esta erva estimula o sistema nervoso, especialmente os nervos dos órgãos genitais.

É usado principalmente para despertar o desejo sexual, mas alguns homens compram Xtrasize para solucionar problemas de desempenho sexual, incluindo a ejaculação involuntária ou a disfunção erétil. Além disso, diminui a pressão arterial e melhora o sistema imunológico.

O departamento de saúde da Universidade de Michigan informa que as cápsulas de Xtrasize foram usados durante muito tempo na medicina tradicional asiática para pessoas com dificuldades sexuais e em pelo menos um estudo, foi demonstrado que aumenta a libido.

Catuaba e marapuama

São duas árvores características do Brasil, conhecidos pelas propriedades medicinais de sua casca. Esta é amplamente consumida pelos nativos do norte do Amazonas. Durante séculos foi empregado tanto para aumentar a libido como para melhorar a potência sexual.

De fato, sua colheita e venda se tornaram um grande negócio em todo o Brasil. As investigações, exíguas, mas existentes, têm apoiado a sua utilização como afrodisíaco e para a saúde em geral. Nos estudos, 51% dos participantes com problemas eréteis relataram uma melhora, e 62% experimentou um aumento na libido. Não foi observado nenhum efeito tóxico ou de reações adversas graves ou mudanças hematológicos ou bioquímicos em voluntários humanos saudáveis de ambos os sexos.

Um estudo publicado pelo US National Library of Medicine, National Institutes of Health expõe que, em um experimento com 202 mulheres saudáveis para tratar a disfunção sexual, a eficácia destas ervas provocou algumas pontuações totais médias significativamente mais elevadas no que se refere à melhoria da libido, freqüência do desejo sexual, as relações sexuais e de fantasias sexuais, bem como na satisfação com a vida sexual, a intensidade dos desejos sexuais, a excitação das fantasias, a capacidade de atingir o orgasmo e a intensidade do orgasmo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *